A nova concorrência

O ramo editorial passa por um crescimento desenfreado da concorrência, e não exatamente em razão do aumento na quantidade de editoras. Se, em um passado não tão distante, a competição era exercida quase que exclusivamente por editoras formais, na atualidade somaram-se a essas empresas milhares de autores que publicam por conta própria — em formato digital, principalmente.

Na área de textos acadêmicos, por exemplo, há muita gente boa publicando conteúdos de qualidade que não aparecem nas estatísticas de venda mas corroem sensivelmente o faturamento de títulos consagrados.

É fato que nesse novo mercado há um volume substancial de conteúdos de pouco valor, produzidos por autores caça-níqueis, mas tenho lido bons textos que suprem convenientemente o que os leitores desejam.

Parece-me que as editoras estão pouco atentas a esses novos entrantes, muitos dos quais estão conseguindo resultados financeiro animadores, o que atrai ainda mais concorrência. É claro que essa turma dificilmente teria estrutura para escrever e publicar grandes tratados coletivos, mas, por outro lado, sobra-lhes agilidade para atualizar seus produtos com frequência e, também, para dar-lhes suporte multimídia, criar conjuntos de conteúdos complementares ou suplementares em que a venda de um item puxa a de outro.

O que fazer para sustar essa sangria?

Essa é uma tendência sem volta, destinada a crescer. Então, o que fazer para sustar a sangria?

Há diversas soluções possíveis, mas as duas principais (e não excludentes) seriam:

  1. Captar esses autores mostrando-lhes as vantagens de contar com uma boa estrutura de produção distribuição e divulgação para que eles se dediquem exclusivamente à criação de conteúdo. Claro que, para isso, as editoras precisam que essas suas áreas sejam realmente efetivas, ágeis, e não entidades burocráticas pesadas. Afinal, os novos autores dominam as redes sociais, são como guepardos com fôlego de gnu, e não gnus com fôlego curto de guepardo.
  2. Conscientizar-se de que o mercado mudou, formar autores que tenham essa nova mentalidade, conscientizar os antigos para a necessidade imperiosa de mudança. O novo momento do universo didático não é propício para conteúdos estáticos, maçantes, mas sim para materiais atraentes, objetivos, rápidos, práticos.

E qual é o mercado atual? Não é, certamente, o do estudante de um passado remoto, aquele que comprava livros impressos que o professor indicava. E estudava por eles.

Os estudantes de hoje têm dificuldade em lidar com conteúdos convencionais. Não querem estudar, mas passar, magicamente. Os autores independentes descobriram isso há tempos.

Envie um comentário

Copyright © 2022 | e-Clix | Consultoria Editorial | Todos os direitos reservados

Planejamento e desenvolvimento do site: e-Clix